quarta-feira, 15 de maio de 2013

Ainda sobre o caso de Angelina Jolie

Imagem retirada do Google imagens

Outra possibilidade passou por minha cabeça e faz bastante sentido. Será que ela não já estava com a intenção de colocar silicone nas mamas (procedimento cada vez mais comum entre as mulheres, por questões estéticas) e decidiu investigar sobre a possibilidade de ter a mutação genética para saber se simplesmente colocaria o silicone ou faria uma substituição total do tecido mamário por uma prótese, como medida profilática?

Aí me parece uma decisão mais sensata do que corajosa. Colocar uma prótese em uma mama que já corre o risco de ter câncer (sem retirar o tecido mamário) me parece um risco duplo, pois esta prótese pode vir a atrapalhar um possível diagnóstico.

Além disso, uma mastectomia em uma mama saudável permite que a pele seja mantida, auréola, etc... Acho que justamente pelo fato de alguma coisa ter sido mantida que ela tenha comentado que com a cirurgia o risco caiu de 87% para 5%. Se ela resolvesse encarar o risco de vir a ter um câncer aí sim a estética dela estaria sendo ameaçada, pois a reconstituição nestes casos torna-se bem mais complexa. 

Avaliando por esse ângulo, me parece uma medida de razões duplamente profiláticas: visando a estética (tenho certeza que a mama dela continua lindíssima ou até melhor do que antes) e também a saúde. 

Apesar de hoje não passar por minha cabeça a ideia de colocar próteses de silicone, acho que se pretendesse colocar uma e já tivesse filhos, investigaria a possibilidade de ter essa tal mutação genética e faria o mesmo... Nesse caso é só uma questão de optar por 300ml de silione + mama natural + risco de câncer ou 500ml de silicone (sem mama e sem risco de câncer). Analisando por esse ângulo a decisão parece até óbvia, desde que já exista a pretensão de submeter o próprio corpo a uma cirurgia e principalmente que a mama já tenha cumprido seu papel natural: amamentar.

Um comentário: