domingo, 11 de setembro de 2011

A Estrada Menos Percorrida

Nada como um caminho na água para descrever uma "estrada" pouco percorrida

Recentemente li um livro que gostaria de recomendar. Chama-se The Road Less Traveled (em português: A trilha menos percorrida) e o seu título me chamou atenção pela lembrança de um poema que adoro, chamado The Road Not Taken de Robert Frost (transcrito abaixo) e talvez porque de certa forma sinto que ao longo de minha vida, ao encontrar bifurcações, venho escolhendo os caminhos que muitas vezes parecem misteriosos, desafiadores e às vezes até inóspitos.

Publicado em 1978, pelo psiquiatra americano Scott Peck (1936-2005), o livro analisa aspectos psicológicos de temas cotidianos como amor, valores, fé, disciplina e religiosidade de uma forma leve através da descrição de inúmeros casos clínicos vivenciados pelo autor durante diversos anos de atendimentos e acompanhamentos psicológicos. O livro foi um sucesso de vendas, traduzido para mais de vinte idiomas e sua leitura é extremamente acessível mesmo para quem não tenha nenhum estudo em psicologia.

Um dos temas que ele aborda com profundidade é o amor, explicando uma das definições mais ricas que já escutei para o substantivo abstrato. Segundo ele: “Amar é a disposição para se estender com o propósito de nutrir o seu próprio crescimento espiritual ou de outrem”, em inglês: “Love is the will to extend one´s self for the purpose of nurturing one´s own or another´s spiritual growth.”

Para explicar o que quer dizer com isso ele aborda diversos sub temas, relacionando-os com o amor como: apaixonar-se, o mito do amor romântico, fronteiras do ego, dependência, atitudes, atenção, cuidado, riscos, comprometimento, confrontos, disciplina, individualidade e outros. Seria impossível fazer um resumo de tudo que ele aborda, acho que vale a pena ler e chegar às próprias conclusões. O mais interessante é que ele trás uma nova perspectiva para o assunto, desmistificando idéias antigas e elucidando situações corriqueiras.

O conceito de que amar é um exercício diário todos já sabem. Independente do tipo de relação (amistosa, conjugal, laboral, familiar...) sempre que existe amor, existirá dedicação e não é algo que surge do nada e sim fruto de um somatório de experiências e acima de tudo uma decisão de comprometimento, atenção e disposição para trocas, baseada na compaixão, tolerância e vontade. Somando a esta idéia, acrescento mais uma citação que adoro de de Pauline Kael (1919-2001): “Onde há uma vontade há um caminho” em inglês: “Where there´s a will there´s a way”, idéia que reforça ainda mais o pensamento daqueles que escolhem a direção da estrada menos percorrida.


The Road Not Taken, Robert Frost (1874-1963)

TWO roads diverged in a yellow wood,
And sorry I could not travel both
And be one traveler, long I stood
And looked down one as far as I could
To where it bent in the undergrowth;

Then took the other, as just as fair,
And having perhaps the better claim,
Because it was grassy and wanted wear;
Though as for that the passing there
Had worn them really about the same,

And both that morning equally lay
In leaves no step had trodden black.
Oh, I kept the first for another day!
Yet knowing how way leads on to way,
I doubted if I should ever come back.

I shall be telling this with a sigh
Somewhere ages and ages hence:
Two roads diverged in a wood, and I—
I took the one less traveled by,
And that has made all the difference.



A estrada que não foi percorrida, Robert Frost (1874-1963)
(tradução de autor desconhecido encontrada na internet)

Num bosque amarelo dois caminhos se separam,
E lamentando não poder seguir os dois
E sendo apenas um viajante, fiquei muito tempo parado
E olhei para um deles tão distante quanto pude
Até onde se perdia na mata;

Então segui o outro, tão bom como o do lado
Porque coberto de mato e querendo uso
Embora os que por lá passaram
Os tenham realmente percorrido de igual forma,

Ambos estavam essa manhã
Com folhas que passo nenhum pisou.
Oh, guardei o primeiro para outro dia!
Embora sabendo como um caminho leva para longe,
Duvidasse que algum dia voltasse novamente.

Direi isso suspirando
Em algum lugar, daqui muito e muito tempo
Dois caminhos se separam em um bosque, e eu…
Eu escolhi o menos percorrido
E isso fez toda diferença.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário